As rendilheiras Gilliodts agradecem a Deolinda Peralta esta tradução

Um pouco da historia da renda

Bibliografia : Martine BRUGGEMAN

A Europa da Renda (Edição Stitching Kunsboek

As rendas de bilros e de agulha nasceram em simultâneo e não uma da outra, porque na sua origem estão duas técnicas completamente diferentes.

Ao longo da sua história procuraram o mesmo grafismo e influenciaram-se mutuamente...

Já não é fácil determinar onde nasceu a renda. Ela é encontrada em diversas fontes por toda a Europa ...

É normal pensarmos na Flandres e na Itália como berço...

O bordado base da renda de agulha.

A renda de agulha nasceu de outras técnicas têxteis manuais mais simples como o bordado ajourado. Catarina de Médicis (1519-1589) e Maria Stuart (1542 -1587) eram bordadoras activas...

Reticella e Ponto in Aria : a primeira renda de agulha

A Reticella é uma forma muito rebuscada do ponto de recorte. Embora para falar com precisão não se possa considerar como renda pois não se trata de um têxtil independente – o que distingue a renda do bordado – considera-se, no entanto, renda de agulha … Em “Os Singulares e Novos Poutraicts…” editado em 1587, Vinciolo dá a este grafismo o nome de ponto de recorte...

Ponto in Aria quer dizer ponto no ar… A obra assim obtida não tinha nenhum suporte e era totalmente independente do tecido, particularidade que elevou esta técnica au nível de renda.

A passamanaria e a primeira renda de bilros

A passamanaria é um nome colectivo que designa qualquer trabalho de aplicação utilizado no mobiliário e no vestuário. Os galões tecidos e trançados foram os percursores directos da renda de bilros. Aliás, esta combina as técnicas da tecelagem e do entrançado.